on 20 de setembro de 2013

Francisco Ferreira concedeu uma pequena entrevista ao Plano Claro de forma a comentar a atualidade política vizelense. O antigo presidente da Câmara Municipal de Vizela distancia-se da atual gestão e deixa um "até breve" aos vizelenses. Confira:

Como está a acompanhar os desenvolvimentos e a campanha dos partidos políticos?

1- Não tenho reparado na campanha. Estou muito ocupado com a minha vida profissional que é muito abrangente e intensa. Vejo alguns cartazes e tenho conhecimento de algumas iniciativas.

O que tem sido mais positivo e o mais negativo?

2- Estas eleições são efetuadas com meios desproporcionais entre o atual poder e a oposição.
Existe muita promiscuidade entre as associações e o poder.
O mais negativo, em absoluto, é a oposição não transmitir aos eleitores o estado caótico e catastrófico em que se encontra a situação financeira da Câmara de Vizela. Seria importante saber porque não sai do papel o PAEL. Eu que estou fora da política sei qual a razão. O que acho estranho é a oposição não o saber. Tenho conhecimento de muito o que se passa em Vizela e só tenho pena que Vizela esteja definhada socialmente e economicamente.
Fico incomodado quando me transmitem algumas informação do que dizem na Câmara e na Assembleia Municipal.
Quando dizem que a dívida da Câmara é de 15 anos, a oposição deveria ter consigo a aprovação de contas de 2008 e 2012.E veriam---dívida da Câmara em 2008-----7 milhões de Euros. Dívida da Câmara em 2012----19 milhões de Euros. Ou seja o p.s.d./ c.d.s. deveriam desmontar esta afirmação e dizer: Em 10 anos, com imensas obras feitas(Vizela ficou irreconhecível)a Câmara ficou com passivo de 7 milhões de Euros e em 4 anos fez-se dívida de 12 milhões. Não metam no mesmo saco a gestão de Francisco Ferreira com a de Dinis Costa. Já para não falar nos compromissos assumidos cujos valores são assustadores.
Quando não há dinheiro para pagar o concerto das varinhas mágicas das escolas, quando uma máquina retroescavadora não está na Câmara por falta de pagamento do concerto e aluga uma, ficando o motorista da Câmara sem fazer nada, isto são pequenos exemplos que demonstram o que vai na Câmara de Vizela. No meu tempo não se fazia despesa sem o Alberto Machado autorizar. Pagam-se faturas de alguns meses atrás e outras com anos, estão por pagar.

Depois de ver todos os candidatos e as propostas eleitorais, acha que se a sua lista de independentes teriam alguma hipótese de conquistar algo?

3- Como sabe o candidato não era eu porque não modifiquei a minha ocupação profissional que estive muito próximo de a modificar. Se a lista de que eu faria parte avançasse, não tenho dúvidas que ganhava a Câmara. A qualidade dos elementos que a comporiam espelhava bem a capacidade para fazer a gestão da Câmara com rigor, com metodologia, sem demagogia, sem folclore e com pessoas que fariam da sua função um serviço à comunidade e não promoção ou proveito pessoal.

Como vê os candidatos Dinis Costa e Miguel Lopes?

4- Não vou definir o candidato Dinis Costa nem Miguel Lopes pois a minha opinião só vai servir para eu votar.

O "caso" Carlos Faria surpreendeu-o? 

5- O Carlos Faria fez o que entendeu ser o melhor para si e para Vizela. Não opino sobre decisões pessoais e certamente que já explicou porque entrou na lista de Miguel Lopes.

Tem algum palpite para o resultado eleitoral de 29 de setembro?

6- Tenho a certeza absoluta de quem vai ganhar.

Na altura, mediante as listas, diria se mostrava apoio a alguma candidatura. Existe alguma que merece o seu apoio?

7- Sempre afirmei em quem não votaria. A lista com que eu "sonhava " não foi realidade.

Já sabe em quem vai votar? E pode-se saber em quem?

8- Desde que não formamos uma lista, não tenho dúvidas em quem vou votar. Como compreende, o voto é secreto.

Aos vizelenses quer deixar alguma palavra?

9- Sim. O Povo de Vizela deveria saber a realidade do Concelho de Vizela e o seu estado financeiro. É doloso omitir tamanha discrepância entre realidade e ficção. Por uma questão de coerência, o executivo e a oposição deveriam pedir uma auditoria às contas da Câmara.
Pelos dados conhecidos, essencialmente pelos documentos apresentados aquando a prestação de contas anuais, Vizela caminha para o abismo. Vamos passar maus bocados. Muito maus bocados!...Não vai haver dinheiro para a sopa.A oposição, nomeadamente a que tem assento camarário, deveria analisar as contas da Câmara, exigir que lhe mostrasse, que lhe demonstrasse as situações que são duvidosas .No meu tempo, os vereadores da oposição iam à Câmara analisar e vistoriar situações em que tinham dúvidas. Infelizmente hoje isso não acontece mas, muito sinceramente, não sei se a oposição tem dúvidas ou se não é capaz de identificar situações que, em reunião de Câmara, merecem reparos. E a oposição tinha um"expert" em análise económica que afinal nunca pôs em causa a idoneidade contabilística da Câmara.
Ao Povo de Vizela, ao meu Povo, só lhe posso nesta ocasião mostrar-lhe a minha solidariedade neste momento difícil. E….até breve.