on 20 de outubro de 2013

75º ANIVERSÁRIO

O Moreirense FC comemora no próximo dia 1 de Novembro as Bodas de Diamante, estando em marcha a realização de um vasto programa alusivo a tão marcante momento da vida do nosso clube. A celebração deste Aniversário prolonga-se pelos dias 1 e 2, decorrendo no sábado, dia do jogo com o CD Trofense, as principais iniciativas.

PROGRAMA

DIA 1 de Novembro, sexta-feira, 10.00 horas - Hastear da bandeira do clube
DIA 2 de Novembro, sábado, 11.00 horas - Missa solene em memória dos sócios e simpatizantes falecidos. Celebração especial.
15.30 horas - Descerrar da placa comemorativa dos 75 anos.
15.45 horas - Canto Hino do Moreirense FC, com a presença dos atletas da Formação.
16.00 horas - Jogo Moreirense - Trofense, da 13ª jornada da Liga Cabovisão.
18.00 horas - Actuação do artista convidado - Quim Barreiros e sua Banda (no exterior do estádio).


Relato de António Brás Pereira:

17 de Setembro de 2013. Depois de umas horas na biblioteca Martins Sarmento, encontrei o que poderá ser a crónica desportiva do PRIMEIRO JOGO do MOREIRENSE FUTEBOL CLUBE.
O Jornal NOTICIAS DE GUIMARÃES, no dia 3 de Julho de 1938-Publicação nº334, relatou na sua página desportiva o que poderá ter sido um jogo de pré-época, tendo em conta que o Moreirense se fundou a 1 de Novembro desse ano. Nesse jogo, popularmente se diz que teve grande entusiasmo, as mulheres foram todas a rigor; Saia Preta e Blusa Verde. Também se sabe que o Moreirense tido ido ao Vizela buscar 2 jogadores, um deles, o Camilo que por ter marcado um dos golos durante 8 dias teve de dormir cá por Moreira.
Então, a crónica desse jogo, pelo jornalista (que era de Vizela):
“Vizela, 27 – Realizou-se ontem Moreira um desafio amigável de futebol entre o «Atlético Club Vizelense» e o «Futebol Club Moreirense» que decorreu com entusiasmo e animação, notando-se uma regular assistência desta vila e de Moreira, que diga-se desde já –àparte uns pequenos incidentes prontamente liquidados satisfatoriamente – se portou com calma e correção, como era de esperar, pois não deve haver quaisquer rivalidades nem malquerenças. O Futebol é um desporto que se exerce amigavelmente entre dois grupos distintos, e não uma tourada de violência e de rixas…
Logo de começo, após a entrada e saudação em campo dos dois grupos (que ambos foram bem ovacionados com entusiasmo e calor) muito nos agradou, até sensibilizou, aquêle simpático gesto dos 2 minutos de silêncio em homenagem e memória ao saudoso António Coelho, tesoureiro que foi do «Atlético» - nobre atitude a que árbitros, juízes de linha e jogadores do «Moreirense» dignamente corresponderam, associando-se aos Vizelenses num dever de educação, cívica, moral e desportiva.
Muito bem!
Não obstante o «Moreirense», segundo ouvimos, estar reforçado com alguns jogadores vimaranenses (entre os quais Ricoca, Paredes e Oliveira) os rapazes do «Atlético» con seguiram empatar por 2-2 – resultado que para o nosso grupo, achamos honroso, e foi, de facto, merecido, porque conseguiram desenvolver jogo bem combinado e conduzido em face da tenaz ofensiva e enérgica resistência do «Moreirense».
Seja-nos, todavia, licito destacar os nossos parabéns ao guarda-redes local, Fonseca, que, sendo um novo e quási principiante (sem as qualidades de defesa eximia e sem a prática indiscutível de Ricoca) se revelou um guarda-redes de valor, que devidamente treinado e orientado, pode vir a ser um guarda-redes de grande destaque e importância.
Armando ainda se mostrou o excelente back que sempre foi…
De resto, ambos os grupos jogaram bem, defendendo briosamente as côres dos seus clubes. Não precisa Ricoca dos nossos elogios porque esse é um excelente guarda-redes de categoria, sobejamente conhecido…
Este encontro teve 2 árbitros: um no 1º tempo e outro no 2º. A nós parece-nos que ambos procuraram ser imparciais e justos, mas como é impossível agradar a todos…há sempre a notar…
Os dois golos do «Atlético» foram marcados por Amado e António G. E os dois do «Moreirense» por Paredes e Camilo. A meio do 2º tempo o «Atlético» só tinha 9 jogadores em campo…
Esboçaram-se alguns conflitos que, felizmente, foram rapidamente sanados, sem consequências, devido à intervenção de pessoas sensatas, cônscias dos seus deveres em tais emergências…
C.A. “