on 3 de dezembro de 2013

Projeto da Câmara de Santo Tirso contempla um elevador panorâmico e a colocação de várias plataformas

Serviços municipais acessíveis a pessoas com mobilidade reduzida

A Câmara Municipal de Santo Tirso vai avançar com a adaptação do edifício dos Paços do Concelho a pessoas com mobilidade reduzida. Na data em que se assinala o Dia Internacional das Pessoas Com Deficiência, foi anunciado que o projeto, no valor de cerca de 35 mil euros, contempla a instalação de um elevador panorâmico, bem como plataformas de acesso a vários serviços municipais. “Estamos empenhados em desenvolver políticas que passem pelo respeito e pela dignidade do ser humano. Era nossa obrigação resolver uma questão tão simples como permitir que todos os munícipes de Santo Tirso possam aceder facilmente aos serviços públicos da autarquia”, advogou o presidente da Câmara Municipal, Joaquim Couto.

As obras de adaptação vão iniciar-se ainda durante o mês de dezembro, esperando-se que possam estar concluídas no início do ano. A mais complexa é a instalação de um elevador panorâmico no pátio interior dos Paços do Concelho e que permitirá o acesso ao primeiro piso do edifício, onde está localizado o Salão Nobre, local em que decorrem vários atos públicos. De acordo com Joaquim Couto, “é uma enorme injustiça que os munícipes portadores de mobilidade reduzida não possam, por exemplo, assistir e participar numa reunião pública do executivo ou estar presente em atos oficiais de interesse público que ali ocorrem”.
A opção pela instalação de um elevador panorâmico, em vidro, prendeu-se, como explicou a arquiteta responsável pelo projeto, com o facto de “respeitar a traça arquitetónica do edifício”, construído na década de 70, interferindo o menos possível com a estética dos Paços do Concelho, um edifício referenciado na história da arquitetura portuguesa.
O anúncio foi feito esta terça-feira, data em que se assinala o Dia Internacional das Pessoas Com Deficiência. O projeto contempla ainda a instalação de plataformas de acesso aos serviços municipais, no piso zero, nomeadamente ao Balcão Único, aos serviços de Educação, Tesouraria, Contabilidade, Trânsito e Contraordenações da Divisão Jurídica. Desta forma, explicou Joaquim Couto, “eliminamos as barreias arquitetónicas, permitindo que qualquer munícipe aceda aos serviços municipais”.
Até ao final do ano, serão colocadas duas plataformas, uma exterior e outra interior, no Posto de Turismo, ao lado da Câmara Municipal. Trata-se de um projeto, concluiu o presidente da autarquia, “que não é caro e que vai valorizar a qualidade dos serviços que são prestados aos nossos munícipes”. 

LOJA SOCIAL DA CAID
A par do projeto de adaptação do edifício da Câmara Municipal de Santo Tirso, como forma de assinalar o Dia Internacional das Pessoas Com Deficiência, a CAID – Cooperativa de Apoio à Integração do Deficiente inaugurou hoje uma Loja Social. Localizada na Praça Coronel Baptista Pacheco, esta loja pretende dar resposta à promoção e divulgação do trabalho e serviços desenvolvidos pela instituição e promover uma maior aproximação dos jovens com deficiência à população.
Por outro lado, explico Guida Neto, diretora técnica da CAID, “pretende-se também provar, através da venda dos produtos, o valioso e significativo contributo que as pessoas com deficiência são capazes de dar para o enriquecimento e diversidade da nossa comunidade e especificamente do comércio local”.
Na Loja Social da CAID estarão à venda produtos de doçaria, como compotas, bombons e bolachas e produtos decorativos artesanais, feitos a partir de vários materiais (papel, jornais, rolhas, botões, barro, ervas secas, tecidos, linhas, entre outros) e recorrendo a utilização de várias técnicas manuais como cerâmica, colagem, pintura, costura, valorizando sempre a reciclagem e reaproveitamento de materiais (alguns doados por outras instituições). As verbas angariadas através da venda destes produtos serão utilizadas “para dar apoio ao desenvolvimento e melhoria de atividades promovidas na instituição”.
A CAID é uma cooperativa criada em 1998, cujo capital social é detido maioritariamente pela Câmara Municipal de Santo Tirso.