on 10 de março de 2014


Terminou o mandato político de João Madureira à frente dos destinos da JSD de Vizela. No final do seu mandado, o Plano Claro quis saber o balanço do seu mandato e se a vontade politica que o fez assumir o cargo ainda se mantém. Numa pequena entrevista, o líder aborda o mandato, a realidade vizelense e ainda as últimas eleições autárquicas. Confira:


1* Após um mandato de dois anos, com tantas ideias para colocar em prática, como caracteriza o mandato realizado?

O nosso trabalho podia ter sido melhor. Como adotamos uma postura séria desde o primeiro dia, desde logo percebemos que iria ser muito complicado fazer crescer a estrutura da JSD Vizela. Há quem filie a torto e a direito, sem nenhum critério, apenas pela questão numérica. Por causa disso acontecem casos ridículos como por exemplo jovens a receber cartas em casa a confirmar a militância no partido A ou B, sem nunca terem assinado qualquer proposta de adesão... Mas não quero que isto sirva de desculpa para nada. Na boa verdade, falhamos na nossa vontade de crescer e no cumprimento de alguns objetivos a que nos tinhamos proposto.

2* O que mais destaca como positivo e negativo durante o mandato?
Foram dois anos muito difíceis para Portugal e os jovens sofreram na pele essas dificuldades. Ao longo do percurso congratulamo-nos com algumas medidas levadas a cabo pela Câmara Municipal de Vizela, louvamos o trabalho desenvolvido no/pelo Espaço Jovem e ao mesmo tempo lamentamos alguma inoperância em acções que efetivamente podem ajudar a melhorar a vida dos jovens de Vizela e que não dependem de investimento público relevante para irem em frente. Nota ainda muito negativa para o Conselho Municipal da Juventude que não passa de um orgão inoperante, inócuo e gastador de tempo dos demais intervenientes.

3* Sendo uma força política direcionada para a juventude, e na maior parte do tempo caminhou sozinho nas medidas políticas juvenis, como vê passado dois anos as medidas/evoluções para a juventude?
Com uma Câmara Municipal totalmente falida, não é fácil trabalhar o setor da juventude uma vez que as atenções estão praticamente centradas no reequilíbrio financeiro. Não há investimento, não há estratégia, não há visão de futuro. 
Apesar disso, apresentamos ao Presidente da Câmara o nosso Manifesto (SOS JUVENTUDE) onde eram claramente definidas algumas ideias a levar a cabo que visavam os jovens em particular. Esse documento foi para a gaveta, com certeza.
A conclusão que tiramos foi simples: A juventude não é, nem nunca foi uma prioridade para esta Câmara Municipal.

4* Este foi o primeiro mandato e teve a particularidade de acompanhar umas eleições autárquicas, como analisa os resultados e a consequente instabilidade política fruto do caso Miguel Lopes?
O resultado das eleições, tendo em conta o elenco escolhido, foi "bom". E não me interpretem mal... 
Acho que cometemos erros primários na preparação duma eleição tão importante. Um projeto que concorre a uma Câmara Municipal e não apresenta um programa objetivo, com ideias/linhas de acção bem definidas, está a pedir que os vizelenses confiem neles a troco de quê? O que foi pedido foi um cheque em branco aos vizelenses por parte da Coligação. 
Claramente o povo de Vizela está cansado do executivo que nos conduziu ao abismo mas com uma alternativa assim, simplesmente decidiram não votar. 
No entanto, a Coligação está viva, atenta e com uma postura séria como podemos testemunhar nas reuniões de Câmara, na Assembleia Municipal (Fátima Andrade uma "rookie" com garra e seriedade fora do comum nestas andanças) e nas freguesias onde nunca é demais lembrar a excelente vitória da Coligação em Infias e em Santo Adrião!
Quanto ao Miguel Lopes, nunca nos podemos esquecer que estamos a falar de alguém que deu um contributo decisivo para a força que a Coligação tem atualmente. No entanto, após qualquer escrutínio, é necessário analisar resultados e claro está, o Miguel Lopes saíu derrotado logo há consequências disso... 



5* Qual foi a posição da JSD quer na altura do fecho das listas até ao momento da retirada da confiança ao ex líder da coligação?
A JSD Vizela deu a sua opinião em sede própria em relação às listas. Pessoalmente disse que houve muita coisa que correu menos bem, ou melhor, correu mal, no "assalto" à Câmara Municipal de Vizela mas falar depois dos resultados é fácil! 
No entanto, os problemas que apareceram no pós-eleições, e sem querer especular sobre cenários, iriam aparecer igualmente em caso de vitória... A política infelizmente é isto meus amigos: Uns puxam para aqui, outros para ali, outros para si, e muito poucos, para Vizela. Nestes dois anos levei uma verdadeira lição de como não fazer política.

6* A fechar, o que o leva agora a entregar a pasta? E que conselhos pode deixar à nova lista vencedora ? Será um trabalho fácil ou difícil?
A minha visão romântica da política, desapareceu. Cumpri o meu mandato apesar de ter estado fora do país cerca de metade do tempo. Isso só foi possível devido a toda a equipa da Comissão Política que não deixou nunca de representar os jovens e os seus interesses sempre que necessário, principalmente nos Conselhos Municipais da Juventude. 
Agora, a "pasta" segue com outro bom elenco. Tenho a certeza absoluta que a próxima composição da Comissão Política da JSD de Vizela vai fazer um bom trabalho. São pessoas jovens, com garra, com paixão por Vizela e algo muito importante nos dias de hoje em qualquer grupo de pessoas: Vontade! Espero não me enganar...

Quanto a conselhos, não sou ninguém para os dar. Só dou opiniões. 
A política em Vizela é um verdadeiro lamaçal. Há uma gritante falta de pessoas sérias, capazes e disponíveis para defender a causa de "Vizela". Ser oposição em Vizela não é respeitado pela maioria "xuxialista", nunca foi, e isso é precisamente aquilo que cada vez mais afasta as pessoas da política. Convido mais uma vez toda a gente a assistir ao vivo a uma Assembleia Municipal por exemplo. Temos médicos, professores, escritores, bate-palmas, românticos... todos eles com algo em comum: Excesso de demagogia! Assistam e comprovem!

Boa sorte e saúde da boa para todos para que continuem, cada um ao seu jeito, a lutar pelo bem da nossa cidade.