on 20 de maio de 2014




Os resultados da avaliação externa concretizada no Agrupamento de Escolas Virgínia Moura, de 19 a 24 de fevereiro de 2014, foi a seguinte:

Muito Bom no domínio dos Resultados

Muito Bom no domínio da Prestação do Serviço Educativo

Muito Bom no domínio da Liderança e Gestão


"Os resultados desta avaliação externa feita pela IGEC, reflete o empenho, a dedicação e o carinho com que a grande maioria dos profissionais se têm dedicado, não esquecendo as estruturas diretamente representativas dos encarregados de educação e da autarquia: todos foram cordiais e empenhados, frontais e atores, parceiros e impulsionadores. Sem o apoio e a colaboração de todos, não seria possível termos desempenhado a missão que nos conduziu até aqui. 

Não podemos esquecer quem fomos, mas devemos preocupar-nos com quem somos e o que pretendemos ser, assente em três pilares fundamentais: o agrupamento em geral e os alunos em particular; a conciliação entre a exigência e a entreajuda; a prevalência de um espírito formativo.

Pretendemos continuar na senda dos agrupamentos dinâmicos e vanguardistas, mas não queremos exibicionismos; desejamos ser práticos e simplistas, mas não buscaremos facilitismos; sonhamos ser primeiros. Queremos manter a nossa dignidade, porém de forma ambiciosa e ativa, porque não pretendemos ser surpreendidos pelo insucesso. E este não se mede somente pelo número de retenções ou de abandonos, antes se afere pela insatisfação no local de estudo ou de trabalho.

Queremos melhorar a nossa cultura de autoavaliação, de forma a corrigirmos os nossos erros e a superar as nossas limitações, desafiando continuamente as nossas expectativas. Todavia, a solidariedade, a entreajuda, a partilha e a dedicação terão de ser as molas impulsionadoras para que o agrupamento surja como referencial e construtora de uma sociedade mais justa, mais igualitária, menos perversa e menos egoísta.

Aos pais e encarregados de educação pedimos que confiem, porque dos seus filhos, enquanto pedras preciosas, tentaremos fazer não jóias refinadas para se verem somente em momentos especiais, mas burilá-las-emos para que cada uma possa brilhar por si. No entanto, entre as partes terá de haver um grande espírito colaborativo, pois a escola não deve e não tem de ser, um depósito diário de pequenos seres e de grandes problemas. Se todos têm de conviver, também todos terão de saber estar, pelo respeito e pelo trabalho, pela ordem e pelo empenho, pela exigência e pela solidariedade. 

À comunidade envolvente pedimos que nos vejam como agentes educativos e formativos capazes de ajudar a fazer do Agrupamento uma referência desenvolvida e onde impere a qualidade . 

Mais compensados ficaremos, se as crianças e os jovens que nos confiaram, mais tarde puderem dizer: «Eu estudei no AEVM … e valeu a pena!».

A Diretora
Maria de Jesus Teixeira Carvalho