on 10 de setembro de 2014


Feira Afonsina recria “Cerco a Guimarães” em ambiente histórico junto ao Castelo

Mais de mil pessoas estarão diretamente ligadas à organização do certame. Público vai poder construir a sua própria lembrança, alugar figurinos para visitar evento com roupa medieval, almoçar ou jantar no acampamento militar. Oito áreas temáticas preenchem espaço da feira, que no próximo ano será alargada a duas novas ruas.

A reconstituição do episódio do “Cerco a Guimarães”, ocorrido em 1127, é o tema deste ano da Feira Afonsina, certame organizado pela Câmara Municipal de Guimarães que decorrerá entre 19 e 21 de setembro e cuja apresentação foi efetuada, esta segunda-feira, em conferência de imprensa realizada nas arcadas do Antigo Paços do Concelho, no espaço público situado entre o Largo da Oliveira e a Praça de São Tiago.

Os primeiros sinais de desconforto no Condado Portucalense, em relação à vassalagem a Leão e ao seu rei D. Afonso VII, após Afonso Henriques se ter armado Cavaleiro em Zamora, em 1125, serão recriados nas noites de sexta-feira e sábado, 19 e 20 de setembro, pelas 22 horas, na encosta do Castelo, situada em frente ao Campo de São Mamede.

Em 1127, entre setembro e outubro, Afonso VII percorreu o Norte de Portugal para exigir o reconhecimento da sua autoridade por parte dos senhores galegos e portugueses, incluindo a sua tia, Dona Teresa. O Rei de Leão e Castela, de forma punitiva contra a sua tia, retinente em aceitar a sua autoridade, decide efetuar um cerco a Guimarães, todavia, Dona Teresa ausentou-se de Guimarães de modo a evitar o confronto. O jovem Afonso Henriques, obrigado a assumir responsabilidades pelo Castelo e suas gentes, teve perante si o poderoso exército do seu primo, Afonso VII.

Além desta contextualização teatral, a quarta edição da Feira Afonsina apresentará oito áreas temáticas (Colina Franca, Arraial, Jardim dos Infantes, Largo do Oculto, Quelho das Desgraças, Travessa das Curandeiras, Doçaria no Convento e o Esconderijo), que vão ocupar o espaço histórico de Guimarães. O Arraial e a Colina Franca, onde estará instalado o acampamento militar que, sob reserva, permitirá ao público ali almoçar ou jantar, ficarão situados na Colina Sagrada, enquanto o Jardim dos Infantes, no Largo Martins Sarmento, será o local para os mais novos se divertirem com jogos e brincadeiras medievais.

O Largo do Oculto, espaço de retiro onde existirão pedras com poderes especiais, ervas medicinais, amuletos, mezinhas, além da realização de consultas e fornecimento de conselhos, será realizado no Largo dos Laranjais. Mais à frente, a Rua Gravador Molarinho, situada entre o Largo dos Laranjais e a Rua da Rainha, recebe o Quelho das Desgraças, ambiente sombrio e misterioso, onde se escondem aqueles que fogem a castigos severos e que, longe do Castelo para sobreviverem às capturas dos Guardas do Rei, aguardam que a azáfama do dia os mantenham impunes.

A Travessa das Curandeiras, cujas rezas e incensos guiam o povo e conduzem-no numa espécie de transe ao universo da magia e encantamento, decorrerá na Travessa Dona Aninhas, enquanto o edifício da Câmara Municipal acolhe a Doçaria Conventual, uma mostra de doces conventuais de origem secular. Os visitantes da Feira Afonsina terão ainda oportunidade de conhecer “O Esconderijo”, na Rua Santa Maria, onde serão contadas histórias e lendas e ensinadas técnicas de escrita antiga.

A zona de iguarias estará também presente no Paço dos Duques de Bragança e no Largo dos Laranjais, enquanto o Largo da Oliveira, a Praça São Tiago e o Largo Martins Sarmento serão locais para mercadores. «Se há território com contexto histórico, patrimonial e afetivo para a realização de um evento de recriação histórica, esse território é Guimarães. Com a Feira Afonsina, consolidamos a relação entre a Cultura, o Turismo e o Património, promove-se a atração turística nacional e com a zona da Galiza e, entre outros objetivos, é potenciada a economia local», considerou José Bastos, Vereador do Município de Guimarães.



EVENTO DE REFERÊNCIA CRESCE EM 2015
A feira deste ano terá igualmente expositores nas duas artérias laterais do Largo Martins Sarmento, o que permitirá ao público proveniente da Rua Santa Maria percorrer um roteiro turístico circulante, com a ascensão pela ala norte da Colina Sagrada e a descida pelo lado oposto em direção à Rua das Trinas, retomando as áreas temáticas existentes nos diferentes arruamentos do Centro Histórico, entre eles, a Rua da Rainha onde estará disponível na Loja d’ Oficina o aluguer de trajes medievais para o público em geral.

O público da Feira Afonsina terá oportunidade de participar diretamente em diversas iniciativas preparadas pela organização. Os mais diversos metais poderão ser moldados pelo visitante, de forma a construir a sua própria lembrança na oficina denominada “A Ferro e Fogo”. Mas há mais. Os interessados na ação “Ao Serviço D’ Afonso Henriques” poderão passar uma parte do dia com os militares, efetuando as suas lides: treino, preparação de armamento e atividades de lazer. Estará ainda disponível uma visita guiada ao acampamento dos Arqueiros. O processo de fabrico do arco e flecha, os ofícios que o complementam, bem como as mais habituais tarefas diárias vão poder, igualmente, ser experimentadas.

«O turista, hoje em dia, tem motivações culturais muito fortes, exige originalidade e qualidade e este evento de referência, único e diferenciador enquadra-se num conjunto de feiras medievais que marcam a agenda cultural da região e do país», afirmou Sofia Ferreira, em representação da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Com um orçamento de 150 mil euros, esperando-se uma receita direta de 30 mil euros, a Câmara Municipal de Guimarães pretende alargar, em 2015, o espaço físico consignado para a realização da Feira Afonsina, abrangendo o Largo Condessa do Juncal e o Largo da Misericórdia. «Sentimos que há espaço para crescer, mas queremos fazê-lo de uma forma afirmada e sustentada», referiu José Bastos.

Numa análise comparativa entre 2011 e 2014, a Feira Afonsina tem apresentado índices de evolução extremamente satisfatórios. A disponibilização de áreas temáticas teve um crescimento de 15% (de 89 para 102), a adesão do comércio tradicional aumentou 104% (de 21 para 43 comerciantes), o número de associações locais para a participação no Mercado cresceu 181% (de para 11 para 31), há mais 61% de grupos de animação (de 9 para 15) e verifica-se um aumento de 134% da taxa de participação de voluntários (de 116 para 272).

A nível de comunicação, foi concebido um anúncio televisivo para a divulgação da feira, que será igualmente promovida na Rede Multibanco de Caixas Automáticas nos distritos de Braga e do Porto. O evento será igualmente publicitado na imprensa nacional, regional e local, bem como nas rádios locais e através de publicidade estática em outdoors. Nas portagens, à saída da autoestrada, foi efetuado um pedido de colaboração à concessionária Ascendi para a distribuição aos automobilistas de um folheto informativo sobre a indicação das facilidades nos acessos aos diferentes parques de estacionamento existentes na cidade de Guimarães.