on 29 de outubro de 2014


Renegociar a dívida, preparar a saída do Euro, retomar o controlo público da banca

Política patriótica e de esquerda
PCP promove debate 31 Outubro, 21h30, Edifício GNRation, Braga
com Carla Cruz e Agostinho Lopes

Perante um País cada vez mais desigual, mais injusto, mais dependente e menos soberano, impõe-se com inadiável premência, romper com a política que o arrastou para a actual situação. Por mais propaganda, ilusórios indicadores económicos ou prometidas retomas, o que o País testemunha, em resultado directo de 38 anos de política de direita e de 28 de integração capitalista europeia, é um percurso que, ao serviço da reconstituição dos grupos monopolistas e do reforço do seu poder, conduziu o País para o declínio económico, para um retrocesso social sem precedentes desde o fascismo e para a alienação de importantes parcelas da soberania nacional.

Quatro meses depois da mentira sobre a “saída limpa” e o “fim do protectorado” a continuidade da política das troikas, nacional e estrangeira, aí está a justificar novos passos na exploração, no roubo nos salários e reformas, no ataque aos direitos à saúde, à educação e à protecção social. Invocando uma política de “contenção orçamental” e de “controlo do défice” agrava-se a já grande carga fiscal sobre os trabalhadores e o povo, prossegue o desinvestimento público, o atrofiamento do mercado interno e a criminosa política de privatizações.

A dimensão dos problemas existentes exige, não o aprofundamento ou a continuidade da lógica do domínio do capital monopolista expondo o País a um sucessão de crises destruidoras, mas sim uma ruptura com a política de direita e a concretização de uma política patriótica e de esquerda vinculada aos valores de Abril.

Assume, no quadro da afirmação e concretização da política alternativa, particular acuidade a resposta a três constrangimentos, cada vez mais reconhecíveis, que contribuíram para o atraso e a degradação da situação nacional, entravam a recuperação económica e social e eliminam as hipóteses de desenvolvimento do País.

São eles os níveis brutalmente elevados da dívida pública e da dívida externa, a integração monetária no Euro e o domínio da banca pelo capital monopolista.

Tendo presente esta constatação, o PCP salienta a importância e significado do Projecto de Resolução que apresentou e foi debatido na passada semana na Assembleia da República e que visava uma proposta integrada para resgatar o País da dependência e do declínio tendente a fixar os calendários, condições e opções da política nacional com vista: a renegociar a dívida compatibilizando-a com o direito ao desenvolvimento; à criação de estruturas nos órgãos de soberania que estudem e preparem o País para a saída do Euro, conduzida para a salvaguarda dos interesses e condições de vida dos trabalhadores e do povo; a adoptar as decisões que conduzam a um efectivo controlo público do sector financeiro, colocando-o ao serviço do interesse do País e dos portugueses e não da especulação.

A proposta tripartida que o PCP levou a debate na Assembleia da República é um importante contributo para a imprescindível mudança de rumo. É uma proposta que não tem no centro das suas preocupações os accionistas dos grandes bancos, os especuladores ou as grandes multinacionais da Alemanha ou da França, mas, sim, os milhões de trabalhadores e de reformados a quem cortaram nos seus direitos e rendimentos, as crianças a quem retiraram o abono de família, os jovens que são forçados a emigrar e as populações a quem negam o direito à saúde e à educação.
Sem a renegociação da dívida, sem a libertação da submissão ao euro e sem o controlo público da banca não haverá qualquer perspectiva para o nosso País de um futuro melhor. Estaremos condenados ao definhamento económico, à dependência, ao empobrecimento e à degradação do próprio regime democrático.

Para debater estas matérias, a DORB do PCP promove, na próxima sexta feira, às 21h30, no Edifício GNRation, um debate com o tema,"Renegociar a dívida, preparar a saída do Euro, retomar o controlo público da banca – Política patriótica e de esquerda”, em que participarão Carla Cruz, deputada do PCP na AR e membro da DORB, e Agostinho Lopes, membro do Comité Central e responsável pela Comissão das Actividades Económicas do PCP.

29-10-14
O Gabinete de Imprensa da DORBraga do PCP