on 12 de janeiro de 2015




ALMOÇOS PARA ALUNOS DO CONCELHO
Cantinas escolares de Guimarães servem 10.419 refeições nas férias de Natal 2014


Mais de dez mil almoços fornecidos em nove dias úteis. Medida da Câmara em abrir estabelecimentos de ensino do concelho será novamente repetida nas interrupções letivas.
10.419 refeições foram servidas nos refeitórios das escolas do 1º ciclo do concelho de Guimarães, durante a realização da pausa letiva para as férias de Natal, no período compreendido entre 17 de dezembro de 2014 e 02 de janeiro de 2015.

A Câmara Municipal de Guimarães, com o objetivo de apoiar famílias do concelho, manteve abertas as cantinas escolares no decurso da interrupção letiva, assegurando o provimento de 6.326 refeições a alunos do 1º ciclo de ensino básico e 4.093 refeições a alunos da educação pré-escolar.
Além dos refeitórios, o Município de Guimarães garantiu a abertura das escolas disponibilizando todos os seus espaços e equipamentos para as Atividades de Animação e Apoio à Família, pré-escolar e Atividades de Tempos Livres para o 1º ciclo, estabelecendo parcerias entre diversas entidades como associações de pais, juntas de freguesias ou outras associações.
«A responsabilidade educativa e social da Câmara Municipal será sempre pensada e assumida em função das necessidades identificadas, visando sempre corresponder ao interesse da escola pública e da comunidade educativa. Esta opção, entre outras que temos tomado, reveste-se de grande importância, constituindo uma mais-valia para os pais», afirma Domingos Bragança, Presidente da Autarquia.
«Escola é um espaço de aprendizagem, de socialização, de lazer, mas é também um espaço de ajuda, de equidade social, de garantia que todos continuem a ter o almoço assegurado. Um estabelecimento de ensino não se destina, somente, para a realização do período letivo. A escola é um equipamento da comunidade e deve servir a comunidade, numa lógica de abertura e de ligação ao meio», acrescentou o responsável pela Edilidade.
Adelina Paula Pinto, Vereadora com competências delegadas na área da Educação, refere que a escola assume atualmente um «papel de grande relevância ao nível do suporte familiar, não só pelo desenrolar de atividades de ocupação de tempos livres para os alunos, mas também como uma estrutura de sustentação para eventuais situações de carência económica ou para as famílias que não conseguem assegurar a vigilância das crianças no período de interrupções letivas».