on 27 de janeiro de 2015

Almoço de Reis 2015 com elevada mobilização iniciou ano político do PS Guimarães

Mais de meio milhar de pessoas lotaram duas salas no Almoço de Reis que a Concelhia do Partido Socialista de Guimarães realizou na Quinta de Vila Marita, em Souto Santa Maria, no passado sábado, 24 de janeiro, no início do ano político de 2015, marcado por uma forte mobilização para as próximas Eleições Legislativas e Presidenciais. “Teremos uma oportunidade de enviar uma mensagem bem forte sobre o rumo que queremos dar a Portugal, assente na esperança e devolvendo o orgulho aos portugueses”, começou por dizer o Presidente da Juventude Socialista de Guimarães, Nelson Felgueiras.

Além de militantes e simpatizantes do PS, o encontro contou com a participação de eleitos nas Assembleias de Freguesia, Presidentes de Junta, deputados municipais, deputados na Assembleia da República, entre outras personalidades. António Costa, Secretário-Geral do Partido Socialista, ausente do país por se encontrar no Congresso do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, que decorreu na cidade da Praia, enviou uma declaração pública, transmitida por Armindo Costa e Silva, Presidente da Comissão Política, onde apelou à mobilização de todos para os próximos atos eleitorais.



Em seguida, Costa e Silva abordou o tema da Portaria 82/2014, que classifica o Centro Hospitalar do Alto Ave no nível básico (Grupo I) que, a manter-se em vigor, como atualmente sucede, retira ao Hospital de Guimarães, no todo ou em parte, serviços fundamentais na área da saúde. A Lei dos Compromissos e a imposição da contribuição financeira dos Municípios para o Fundo de Apoio Municipal foram outros assuntos abordados. “São dificuldades acrescidas, além da Lei do Setor Empresarial Local, que veio pôr em causa o serviço que todos reconhecemos nas cooperativas participadas pelo Município na área da Cultura, Desporto e Ação Social”, especificou o Presidente da Concelhia, dirigindo-se aos militantes e simpatizantes do Partido Socialista.

“A ação governativa da Câmara e das Juntas necessita de um partido forte, atento, informado e combativo, não só para colaborar na definição dos programas de Governo, mas sobretudo para defender e divulgar as suas realizações junto dos eleitores de uma forma permanente e sustentada. Quero que Domingos Bragança interprete o sentimento de todos os militantes presentes nestas duas salas. E quero dizer-lhe que reconhecemos a intensidade e a qualidade do trabalho que vem sendo desenvolvido pelo Executivo que lidera. Pode contar com o contributo de todos os socialistas num espírito de pluralidade, de coesão e de lealdade num projeto político autárquico que queremos compaginar com um governo socialista”, acrescentou Armindo Costa e Silva.

Revogação da Portaria
Domingos Bragança, Presidente da Câmara Municipal de Guimarães, “trabalha com os Presidentes de Junta” na promoção do desenvolvimento de todas as freguesias. “Conhecem-me e sabem bem que eu quero que o concelho de Guimarães seja desenvolvido em todo o seu território”, começou por referir, defendendo uma distribuição equitativa dos apoios em função das “necessidades reais de cada freguesia, tendo em conta que há freguesias que precisam mais do que outras. Umas já têm equipamentos e infraestruturas e outras não têm”, disse, apelando em seguida ao “contributo de todos no ambicioso projeto” da Capital Verde Europeia, cuja candidatura será formalizada em 2017.

“Este objetivo obriga-nos, a todos, a contribuir decisivamente para que tenhamos condições de sucesso de, um dia, sermos reconhecidos como um dos melhores espaços da Europa para se viver, um concelho inclusivo, amigo do ambiente, ecologicamente mais sustentado e mais preparado para o futuro”. O Presidente da Autarquia destacou, também, o trabalho que tem realizado, em conjunto com as entidades competentes, no sentido de controlar e fiscalizar as descargas contaminadoras no rio Ave, que têm sido sistemáticas.

Sobre a Portaria 82/2014, Domingos Bragança foi elucidativo: “Só a sua revogação ou alteração é que nos dará sossego! A Portaria constitui um rombo para a sustentabilidade e desenvolvimento futuro do nosso Hospital, que está classificado atualmente no Grupo mais baixo e mais básico da hierarquia. A agregação dos Hospitais de Guimarães, de Famalicão e de Barcelos para a constituição do Centro Hospitalar do Ave é um caminho da competência do Governo, mas muito difícil de conseguir! A coligação do PSD e do CDS-PP deveria estar ao nosso lado na exigência da revogação da Portaria, tão prejudicial para o nosso Hospital!”, reforçou Domingos Bragança.