on 20 de janeiro de 2016

A empresa têxtil JF Almeida voltou a receber o Ministro da Economia nas suas instalações. Depois de em Julho de 2010, ter recebido o Ministro Vieira da Silva, desta vez coube ao Ministro Manuel Caldeira Cabral presidir à inauguração das novas instalações do pólo logístico da empresa Têxteis JF Almeida, em Moreira de Cónegos, numa cerimónia em que esteve acompanhado pelo Secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos.
Situado na Rua do Outeiro, o edifício representa um investimento de 1, 5 milhões de euros, permitindo à empresa aumentar a capacidade de armazenagem para "4400 paletes, o equivalente a cerca de 160 camiões TIR", referiu o empresário Joaquim Almeida.
Na cerimónia inaugural, o Ministro da Economia congratulou-se com o investimento feito pelos empresários "que querem estar ao nível dos melhores do mundo, porque só assim, podemos almejar ter empregos e produtividade ao nível dos melhores do mundo e rendimentos melhores do que aqueles que temos hoje". 

Foto: Guimarães Digital



Para recordar:



23/07/2010

Empresa JF Almeida SA recebeu Ministro Vieira da Silva 

"A empresa têxtil J. F. Almeida S.A. assinou no passado dia 23 um contrato de investimento no valor de três milhões e trinta e cinco mil euros. Vieira da Silva esteve em Moreira de Cónegos e elogiou a capacidade da empresa se manter na linha da frente. 

Este novo contrato formalizado, no âmbito do sistema de incentivos ao QREN, irá complementar um outro investimento de cinco milhões e meio de euros que a empresa iniciou em 2008. Investimento esse que já está concluído com um grau de realização de 101%. Todos estes apoios permitem à têxtil J.F. Almeida SA iniciar um conjunto de investimentos estratégicos no âmbito da sua modernização e do seu crescimento. Joaquim Almeida referiu que “os anos de crise são os melhores anos para investir” e por isso inicia-se um conjunto de investimentos “nesta empresa que passa a ser única no sector dos têxteis-lar completamente verticalizada e única na Europa Ocidental melhor apetrechada em termos tecnológicos, com equipamentos únicos a nível europeu”. No final da sua intervenção, Joaquim Almeida caracterizou a sua empresa como “um TGV a percorrer uma linha de caminho de ferro tradicional”. O Ministro da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento, Vieira da Silva, que esteve também acompanhado por várias individualidades ligadas a estes projectos, felicitou a empresa “pela sua capacidade de permanecer na linha da frente mesmo num período de crise”. Uma empresa “competitiva, fundamentalmente exportadora, activa e inovadora”. O Ministro destacou ainda 3 de doze medidas de apoios às empresas, nomeadamente a linha de crédito de apoio ao sector privado, a permissão para as empresas refazerem os projectos à qual se candidataram e ainda uma dupla agilização dos processos para poderem solicitar os apoios as vezes que entenderem, sendo estes apoios suportados com factura. Vieira da Silva terminou dizendo que “não podemos parar à espera que as coisas melhorem, temos de ajudar a melhorar as coisas”.