on 11 de fevereiro de 2016

É também uma das apostas do Município de Vizela o desenvolvimento do "Caminho de Santiago" e que este passe por Vizela. Contudo, são 17 municípios (Tui, Salceda de Caselas, Mos, O Porriño, Redondela, Soutomaior, Vilaboa, Pontevedra, Barro, Portas, Caldas de Reis, Valga e Pontecesures, Barcelos, Ponte de Lima, Paredes de Coura e Valença) que dão um passo em frente com a presentação pública do projeto “Caminho Português: conservação e valorização do Caminho Português de Santiago.

Confira o comunicado da CM Barcelos:

"A vereadora da Cultura Câmara Municipal de Barcelos, Elisa Braga, esteve presente, em Pontevedra, num ato de apresentação pública do projeto “Caminho Português: conservação e valorização do Caminho Português de Santiago. O património cultural e natural como fator de desenvolvimento económico", que está sujeito a apoio da União Europeia.
A vereadora Elisa Braga, em representação das Câmaras Municipais do Norte de Portugal, manifestou a importância deste projeto “audaz e pioneiro, que nos permite preservar o Caminho Português de forma consistente, sustentada e séria, potenciando todas as possibilidades de desenvolvimento dos territórios transfronteiriços”. Além disso, agradeceu “à Deputación de Pontevedra que nos fez participantes neste projeto, com a certeza de que em 2021 vamos conseguir resultados fantásticos.”
Este projeto, no qual participam Tui, Salceda de Caselas, Mos, O Porriño, Redondela, Soutomaior, Vilaboa, Pontevedra, Barro, Portas, Caldas de Reis, Valga e Pontecesures e as câmaras municipais do Norte de Portugal (Ponte de Lima, Paredes de Coura, Barcelos e Valença), por onde passa o Caminho Português, candidata-se aos fundos europeus INTERREG V-POCTEP, Programa de Cooperação Transfonteiriça Espanha-Portugal.
Esta atuação permitirá proteger o património cultural e natural assim como impulsionar e promover turisticamente os concelhos e municípios por onde passa o Caminho Português.
O projeto, cujo orçamento ascende a mais de quatro milhões de euros, parte da necessidade de proteger e promover o património cultural e natural mediante cooperação, o trabalho em rede de todos os agentes implicados e a inovação. Para isso, baseia-se em estratégias de crescimento inteligente, sustentado e integrador, apostando na modernização e melhoria contínua dos serviços turísticos, incidindo na qualidade e sustentabilidade para ser mais competitivos. 
Este projeto compreende também atuações de proteção e recuperação do património cultural e natural, a sinalização de recursos e o incremento em 25% do número de turistas que percorrem o território do projeto. Através desta atuação, pretende-se reforçar a cooperação transfonteiriça, sensibilizar a população na proteção do Caminho português e converter a região num destino turítico de qualidade. Para isso, entre outras questões, elaborar-se-á um plano de melhoria do Caminho Português para convertê-lo numa rota segura, acessível e atrativa; uma guia didática para estudantes; uma agenda cultural; atuações de promoção como uma página web; uma Feira do Caminho; uma exposição itinerante; um fórum sobre turismo sustentado e um workshop de criação e venda de produtos turísticos; e uma rede de trabalho com estrutura operativa e estável de cooperação para proteger o Caminho Português.
Carmela Silva, Presidente da Deputación de Pontevedra, destacou que o Caminho Português “é um elemento fundamental na área da Galiza – Norte de Portugal, que agrupa um vasto património cultural e imaterial, assim como um rico património natural que constitui um fator de desenvolvimento fundamental para esta zona, uma forma de entender o território que nos identifica e faz parte do que somos.”