on 23 de março de 2016

k A JSD de Vizela realizou na passada sexta-feira um jantar comemorativo do 18º aniversário do Concelho de Vizela. Neste jantar estiveram presentes os membros do MRCV e do grupo a Pesada, os quais, discursaram e contaram as suas "peripécias" na luta da restauração do Concelho de Vizela. O jantar contou ainda com a presença do presidente da JSD nacional, Cristóvão Simão Ribeiro, a deputada jovem, Laura Magalhães e toda a estrutura da JSD e PSD local.

Discurso de Beatriz Vasconcelos Freitas


"Boa noite a todos. 
Permitam-me, antes de mais, e em nome da Juventude Social-democrata de Vizela, agradecer a presença neste jantar dos membros do MRCV, Adriano Batista, António Ferreira, Belmiro Martins, Joaquim Lopes Vaz, José Borges e aos membros da ‘’Pesada’’: António Carlos Teixeira, José Manuel Couto e José Maria Ferreira 
Ao Presidente da JSD nacional e meu amigo, Simão Ribeiro, bem como da deputada do Partido Social Democrata (PSD) na Assembleia da Republica, Laura Magalhães, presenças que muito nos honram. 
Ainda uma palavra especial de agradecimento ao Sr. Prof. Carlos Alberto Costa, que prestou uma preciosa colaboração na organização deste jantar de homenagem aos Sociais-democratas do Movimento Para a Restauração do Concelho de Vizela (MRCV) e do Grupo “A Pesada”.
 - Caro Presidente do PSD Vizela e restante Comissão Política, 
Caros Amigos, 
Completam-se, amanhã, 18 anos sobre a data em que Vizela se tornou concelho. Após décadas de lutas, quer na rua quer nos gabinetes do poder, Vizela venceu finalmente. O Povo de Vizela, depois de muito sangue, suor e lágrimas derramados, viu-lhe ser feita justiça e libertou-se das amarras e do jugo dos concelhos vizinhos. 
A JSD de Vizela entendeu ser a hora de, decorridos 18 anos sobre tão nobre data, prestar uma singela mas sentida homenagem a todos aqueles que foram os verdadeiros responsáveis pela autonomia vizelense: o MRCV e o Grupo “A Pesada”. Sem vocês, é certo e sabido, não estávamos hoje aqui a celebrar a maioridade do nosso concelho, porque simplesmente o concelho de Vizela nem sequer existia. 
É um orgulho enorme, acreditem, contar aqui com a Vossa presença. 

Não poderíamos, contudo, continuar, sem, em 1.º lugar, homenagear todos aqueles que já partiram. Porque também a eles, também a eles!, se deve a nossa autonomia. E não querendo correr o risco de esquecer nenhum desses vultos que muito contribuíram para a nossa emancipação, gostaria de lhes dedicar a todos eles, e a cada um em especial, uma enorme salva de palmas. (O Concelho de Vizela também a Vós se deve!) 
Mas, meus amigos, permitam-me que vos trate assim, a LUTA CONTINUA! A luta tem que continuar! 
Passados 18 anos sobre o sonho se ter tornado realidade, quem, aqui de vós, pode dizer que o poder político local correspondeu aos anseios daqueles que lutaram por uma Vizela livre, rica, pujante, que investisse toda a riqueza que produzia – e era muita como certamente se lembram – no seu crescimento e no seu desenvolvimento? Ninguém! Vizela tem, como todos aqui sabemos, potencial e condições naturais invejáveis para se tornar uma referência a nível regional e até nacional, quer na indústria, quer no turismo! 
No entanto, ano após ano, vemos um Município afogado em dívidas, falido, incapaz de atrair pessoas, massa crítica, de captar investimento e de promover um desenvolvimento sustentado. 
Pior do que isso! Adivinham-se tempos ainda mais difíceis. Assistimos a concelhos vizinhos a prosperarem e a desenvolverem-se enquanto os vizelenses encontram-se amarrados e tolhidos, já não pelos anteriores municípios que nos administravam, mas por um PAEL, por um executivo socialista que nos leva, perdoem a expressão, “couro e cabelo”. 
A incompetência dos que nos desgovernam há 18 anos levou a que hoje os vizelenses paguem os mais altos impostos e as mais altas taxas municipais de toda esta enorme região em que estamos inseridos. Vemos as personagens do poder local a enriquecer, a enriquecer os seus e as suas clientelas políticas, enquanto os demais vizelenses ficam cada vez mais pobres. Um poder político local que ilegitimamente defraudou as expectativas de todos quanto lutaram pela emancipação e autonomia de Vizela. 
Mas a esperança num futuro melhor, apesar das nuvens negras que pairam, não pode, nem deve morrer. Como todos sabem a criação do concelho de Vizela teria de ser o meio para atingir um fim maior. A qualidade de vida de todos, repito, de todos, os vizelenses e não apenas daqueles que são o poder e se alimentam dele. 
E aqui chegados, cabe a todos nós, aqui presentes, exigir que o poder local honre, respeite e corresponda às expectativas, de todos quanto lutaram pela restauração do concelho de Vizela. Mas porque hoje o momento é de festa, redireccionemos a nossa atenção para quem a merece. E quem merece a nossa atenção, o nosso respeito, o nosso elogio, a nossa admiração são vocês, ilustres membros do MRCV e da Pesada. 
A JSD Vizela quer registar para a posteridade, hoje, aqui, em Infias, o nosso MUITO OBRIGADO por tudo aquilo que fizeram, por tudo aquilo que lutaram, muitas vezes, acreditamos, em prejuízo da vossa vida pessoal e profissional, em prol de Vizela e dos Vizelenses! Não queria terminar sem antes distinguir duas pessoas aqui presentes, dois sociais-democratas que admiro, o companheiro Carlos Ribeiro e o companheiro Belmiro Martins, a quem a JSD Vizela entendeu atribuir a distinção de militantes honorários, e para quem peço a todos uma grande salva de palmas. 
Finalmente, e para terminar, gostaria de agradecer a presença de todos vós, neste jantar-convívio de homenagem aos membros sociais-democratas do MRCV e da Pesada, e apelar a todos, sem excepção, que, apesar das nuvens negras, muito negras, que de há 18 anos para cá insistem em pairar sobre os vizelenses, não deixem esmorecer o espírito e o sentimento guerreiro, bairrista e de paixão por Vizela que estes senhores nos ensinaram, que continuem a amar e a lutar por Vizela. 
Porque Vizela é assim e luta até ao fim, Viva o MRCV, Viva a Pesada, Viva Vizela! Parabéns Vizela! Em nome da JSD Vizela, obrigada a todos!