on 28 de março de 2016

11 de Janeiro de 2010 deu-se o arranque das obras no antigo Hospital de Vizela para dar lugar à Unidade de Cuidados Continuados. Confira algumas fotos da evolução:













Artigo de Opinião

EI-LA QUE NASCE! … A UNIDADE DE CUIDADOS CONTINUADOS 

Sim, ei-la que nasce! 
Foi no passado dia 11 de Janeiro que se deu inicio à construção da Unidade de Cuidados Continuados Integrados António Francisco Guimarães, simbolizada através da assinatura do Auto de Consignação. Decididamente o início de cada ano tem servido para se dar um passo em frente neste projecto, cuja génese data do dia 24 de Outubro de 2008 com a entrega na ARS-Norte da nossa candidatura. Se em 15 de Janeiro de 2009 se procedia à assinatura do Protocolo de Financiamento, decorrente da aprovação da nossa candidatura formalizada através do Programa Modelar, já em 11 de Janeiro do corrente ano demos inicio à sua construção. Perguntarão, o que se passou durante um ano? Naturalmente que não estivemos parados. Porque se trata de um processo exigente, por força dos trâmites legais a cumprir, foi de facto um ano trabalhoso, sob o aspecto burocrático. Assim, após a comunicação da aprovação da nossa candidatura demos de imediato inicio ao desenvolvimento do projecto de arquitectura, conjugando-o com os das especialidades, de forma a reunirem condições de serem aprovados, quer pela ARS, quer pelas entidades competentes. Todo este processo foi conseguido no primeiro semestre de 2009. Na posse de todos estes pareceres, estavam reunidas as condições para se proceder ao envio dos ofícios-convite às empresas construtoras, de forma a apresentarem proposta para a construção da Unidade. E assim foi. Em 28 de Agosto de 2009 demos início aos Procedimentos, dirigindo convite a seis empresas da área, fixando como preço-base da empreitada o valor apresentado na candidatura, ou seja, Eur. 2.541.000,00. De referir que apenas quatro empresas formalizaram resposta ao convite endereçado, contudo não houve lugar à adjudicação da obra uma vez que todas foram excluídas, dado ter ultrapassado largamente o preço base de referência. Face a esta situação, o Sr. Provedor, Presidente do Júri, deliberou rever todo o processo de forma a efectuar pequenos ajustes ao projecto, numa tentativa de encontrar um preço base mais consentâneo com o seu valor real. Depois de operadas algumas alterações ao caderno de encargos inicial, foi encetado um novo Procedimento, datado de 04 de Novembro pp., com novos convites dirigidos às mesmas empresas, evitando-se assim maiores perdas de tempo, que aconteceriam se se enviasse a entidades diferentes das inicialmente convidadas, fixando agora o valor base em Eur. 4.500.000,00. E, mais uma vez, não houve lugar à adjudicação da obra pelos mesmos motivos, ou seja, as propostas terem ultrapassado o preço de referência. Desta forma, o presidente Júri considerou ser contraproducente iniciar um novo procedimento, com um preço base superior ao aqui estabelecido, dado ter constatado que a questão residia no valor avultado e díspar entre as propostas analisadas, relativamente ao Projecto AVAC. Assim, ficou deliberado recorrer ao ajuste directo, evitando-se demoras decorrentes das normas dos Procedimentos, perspectivando assim a atribuição da empreitada à empresa que melhores condições e maior confiança inspirasse, de forma a daí resultar ganhos para a Instituição. E estávamos em 28 de Dezembro de 2009 quando o Sr. Provedor oficializamos o convite à empresa Combitur – Construções Imobiliárias e Turísticas, SA para levar a efeito esta empreitada, tendo a mesma formalizado a sua proposta com o valor de Eur. 4.247.372,69, aceite pela Mesa Administrativa desta Santa Casa. E ei-la que nasce nos primeiros dias do corrente ano a Unidade de Cuidados Continuados, com a certeza de ser “uma criança pronta a andar” em 15 de Dezembro de 2010, capaz de servir os inúmeros utentes que dela beneficiarão. 

Fátima Guimarães, 
Economista (Assistente Administrativa)


EDITORIAL 

Caríssimos Irmãos 

Mais uma vez me dirijo a vocês para apresentar este nosso 11.º Boletim Informativo que, da melhor forma e o mais exactamente possível, procura dar a conhecer aos Irmãos o que se vem fazendo na nossa Santa Casa, neste período que corresponde, mais ou menos, ao 1º semestre do Ano Escolar 2009/2010. Porque falamos no Ano Escolar, aproveito para informar os nossos estimados leitores que, após 15 dias de paragem absoluta durante o mês de Agosto p.p., recomeçamos o trabalho escolar com total normalidade. Acabo de dizer que foi normalmente que tudo aconteceu mas não foi bem assim, uma vez que, ao fim de 10 anos que mantivemos o nosso ATL em funcionamento, fomos obrigados a encerrá-lo dado que o seu espaço estava muito encostado à área hospitalar, onde felizmente as obras da nossa Unidade de Cuidados Continuados Integrados já começaram. Unidade de Cuidados Continuados Integrados António Francisco Guimarães: é esta a obra pela qual a Mesa Administrativa se vinha batendo e trabalhando de uma forma muito intensa, durante os 3 anos do nosso último mandato, mas que foi sempre o grande sonho desta Provedoria que felizmente está este ano, 2010, a ser concretizado. Entretanto, aproveito para esclarecer os leitores que foi devido ao Hospital, e para cumprir a promessa que vínhamos fazendo aos Irmãos, que esta Direcção, muito especialmente o seu Provedor, aceitou fazer mais um mandato que, embora seja um sacrifício nesta hora, é entretanto muito gratificante, pois sentimos que vamos ter oportunidade de concretizar esta grande obra que resulta da remodelação e reestruturação do Hospital de Vizela. Aproveito a oportunidade para esclarecer a comunidade em geral, que este não será porventura o Hospital que esperavam, mas é a Unidade possível e certamente aquela que melhor irá servir a Comunidade, dentro da Rede de Cuidados Continuados Integrados. Entretanto, se juntarmos aqui as nossas valências em funcionamento na área dos idosos, como sejam o Lar Torres Soares e o Lar Residencial, bem como o Centro de Dia e o Apoio ao Domicilio com o RSI, ficamos com uma grande área de trabalho e apoio a idosos com total abrangência concelhia, e não só. Porque estamos no início de um novo ano civil, quero agradecer a todos os meus colaboradores que, com o seu esforçado voluntariado, me têm ajudado a levar o barco para bom porto. Para além disso, e porque a presente edição deste Boletim Informativo é coincidente com os fins deste mês de Janeiro, aproveito a oportunidade para desejar a todos os nossos leitores e colaboradores um bom ano de 2010, muito especialmente com saúde, que é o bem mais precioso que devemos desejar. Para todos os nossos trabalhadores e colaboradores vai o nosso muito obrigado, pois é com eles que temos conseguido fazer uma obra de que todos nos orgulhamos, inclusive este Boletim Informativo. 

O Provedor (Domingos Vaz Pinheiro)