on 10 de maio de 2016




Câmara Municipal de Vizela não aceita fim de contrato de associação com o Colégio de Vizela

A Câmara Municipal de Vizela vem por este meio manifestar a sua grande preocupação, decorrente do Despacho Normativo 1-H/2016, de 13 de abril, com o possível encerramento do Colégio Vizela, estabelecimento de ensino do concelho de Vizela com Contrato de Associação, firmado com o Ministério de Educação.
Trata-se de uma escola com 276 alunos abrangidos pelo contrato de associação, 122 dos quais carenciados, inserido numa comunidade cuja EB1/JI (71 alunos no 1º ciclo e 50 no pré-escolar) é frequentada por 66,2% de crianças pertencentes a famílias carenciadas.
Porque o seu possível encerramento implicará fortes perdas para este Município e seus munícipes, porquanto obrigaria os pais e encarregados de educação a deslocar os seus educandos para escolas mais distantes da sua residência e, por conseguinte, a um aumento exponencial de custos com transporte escolar. A este forte constrangimento, acresce a não menos avassaladora perda de emprego de docentes e não docentes.
Assim, a Câmara Municipal de Vizela já manifestou a sua preocupação pessoalmente e também através de ofício remetido à Secretária de Estado Adjunta da Educação, Dra. Alexandra Leitão, sensibilizando-a para a necessidade de manutenção dos atuais contratos com o Colégio Vizela, garantindo aos alunos, pais e encarregados de educação o direito de liberdade de escolha da sua educação e escola e a tranquilidade na preparação do próximo ano letivo.
A Câmara Municipal de Vizela está atenta a esta situação, tendo já realizado várias reuniões com a direção do Colégio de Vizela, pois a Autarquia está preocupada, não apenas com o futuro dos alunos que frequentam o Colégio de Vizela, mas também com o futuro da própria instituição educativa.
De realçar que o Presidente da Câmara Municipal de Vizela, Dinis Costa, marcou presença no cordão humano realizado pela comunidade educativa em defesa do Colégio de Vizela, no passado dia 6 de maio, inserido na jornada de luta nacional, promovida pelo “Movimento Defesa da Escola”, contra a referida portaria.