on 14 de junho de 2016

Discurso de Victor Hugo Salgado - candidato à Câmara Municipal de Vizela 2017

"Hoje, dia 31 de Maio de 2016, numa das salas mais simbólicas do nosso Concelho, a sala polivalente da Casa do Povo, escrevemos uma nova página na história recente de Vizela. Nesta sala foram feitas muitas assembleias populares e daqui partiram muitas das lutas pela nossa autonomia.
Esta noite, uma vez mais, é o futuro do nosso Concelho que aqui é apresentado e é daqui que sairemos para mais uma luta histórica, as próximas autárquicas de 2017. Falo de história porque, pela primeira vez em 18 anos, e caso o Partido Socialista Nacional não perceba o que se passa em Vizela, o Partido Socialista perderá a Câmara Municipal e perderá o Concelho mais socialista do País.
É com enorme tristeza que o afirmo. Todos sabem que representei o Partido Socialista aos mais variados níveis. Fui o primeiro deputado socialista de Vizela.
Mas caros amigos, mais do que ser socialista sou vizelense, e a minha terra, tal como para todos vocês, está acima de tudo, acima de qualquer partido. Por isso é que está escrito atrás de mim “Vizela Sempre”, porque encaro esta candidatura sempre por Vizela.
Desta forma, não posso, desde já, deixar de começar por gradecer as palavras do Sr. Dr. Fernando Carvalho, e dizer-lhe que a sua posição ao meu lado, num dia tão relevante, enche-me de orgulho e profundo agradecimento por acreditar em mim e nesta candidatura.
Assim sendo, o projeto que apresento a todos os vizelenses tem a ambição de ganhar a Câmara Municipal de Vizela. Alcançar este objetivo, significa ter a lucidez para analisar a evolução dos resultados eleitorais ao longo da última década, e perceber o que os vizelenses sabem, o que querem e o que procuram para a governação do seu futuro coletivo.
• Os Vizelenses não querem mais do mesmo.
• Os Vizelenses estão fartos de pessoas que não estão ao serviço de Vizela, mas sim ao serviço dos seus interesses pessoais.
• Os Vizelenses querem é uma alternativa que tenha a capacidade de trazer para o seio da política concelhia novos rostos, pessoas jovens de mérito reconhecido, novos e qualificados quadros, mas, também, gente experiente que, até à presente data, não teve a possibilidade de servir Vizela ao seu mais alto nível. 

Na sequência do repto que me foi lançado por muitos Vizelenses, consolidado num abaixo assinado com mais de mil assinaturas, e atendendo à necessidade de dar de novo um rumo à nossa terra, assumi a responsabilidade de me candidatar a Presidente da Câmara Municipal de Vizela.

Tomo esta decisão porque acredito no trabalho que desempenhei em prol de Vizela ao longo dos últimos anos nos mais variados cargos políticos que ocupei. O trabalho que fiz à distância, a partir de Lisboa, e o trabalho que desenvolvi enquanto Vereador na Câmara Municipal nos mais variados pelouros, são a prova evidente da minha dedicação à terra que me viu nascer. Os vizelenses não esquecem:
• A minha intervenção junto das instituições sociais do concelho;
• A minha intervenção na Marginal Ribeirinha;
• A minha intervenção na aprovação do Plano Diretor Municipal;
• A minha intervenção na consolidação das contas do Município;
• A minha dedicação aos Vizelenses, com a disponibilidade diária que sempre tive quando tinham problemas e em mim procuravam soluções.

Mas, mais do que falar do passado, a nossa preocupação tem de estar centrada no futuro. Temos de apresentar um novo projeto ao eleitorado nas próximas eleições autárquicas, com o objetivo de alcançar uma maioria absoluta nos diversos órgãos autárquicos. Essa maioria é uma condição essencial para uma governação estável e com condições para levar a cabo um programa consistente na senda do crescimento de Vizela. 

Contudo, uma maioria absoluta por si só, sendo necessária, não é suficiente para fazer face aos desafios que teremos de enfrentar. É por isso que tudo faremos para que a essa maioria corresponda um compromisso social e político mais alargado, construído com os diversos parceiros e com a sociedade civil organizada.

Não podemos ignorar as dificuldades financeiras que as presentes circunstâncias impõem. Temos de garantir a sustentabilidade futura da autarquia, através de ganhos de eficácia, eficiência e operacionalidade. Devemos fazê-lo, no entanto, sempre com as pessoas no centro das nossas preocupações.

Temos plena consciência de que vivemos, e esse é o espírito que nos deve continuar a animar, neste novo ciclo que se sabe árduo, mas também motivante, exigente e desafiante e, por isso mesmo, necessariamente reformista. 

Os próximos anos serão marcados por diversos desafios: consolidar os apoios aos mais fragilizados, incentivar as empresas, fomentar o turismo e promover o progresso e o desenvolvimento, constituindo por isso, nesse enquadramento específico, as seguintes prioridades da ação governativa municipal:
• Consolidar a sustentabilidade financeira, garantindo a baixa dos impostos e taxas municipais;
• Promover um ambiente económico favorável ao investimento e ao crescimento da economia local;
• Intervir de forma consistente no Turismo local, promovendo a resolução de todos as dificuldades inerentes à sua revitalização;
• Construir mecanismos necessários para a defesa e criação de emprego; 
• Salvaguardar e incentivar uma rede de proteção social que garanta dignidade nos momentos mais difíceis; 
• Reforçar as atribuições, competências e o financiamento das juntas de freguesia, através dos respetivos mecanismos legais, suprindo as dificuldades do município mediante a gestão de proximidade.

Contudo, este é um ponto de partida, um conjunto de propostas de orientação estratégica que deverão merecer aprofundamento, reflexão e aperfeiçoamento. 

Na política, como na vida, nada é estático. A capacidade de se renovar, repensar e alargar o seu âmbito de ação, com uma participação cada vez maior dos Vizelenses, é fundamental. 

Assim sendo, ao longo dos próximos meses, será construído um programa eleitoral à imagem de Vizela. Para o efeito, será criado um grupo de trabalho coordenado pelo relator do programa eleitoral que, todos os meses, irá reunir com os mais variados interlocutores sociais, discutindo temas como: Desporto, Saúde e Ação Social, Cultura, Educação, Turismo, Investimento Público Municipal, Indústria e Comércio Local, Urbanismo, Juventude, Finanças Municipais e Ambiente. 

Posso, ainda, avançar que o facto de estarmos a mais de um ano das eleições, este tempo deve servir para uma democracia mais esclarecida, motivo pelo qual informo, desde já, os vizelenses que podem contar comigo para que os esclareça: 
• No decorrer do mês de Junho apresentarei a sede desta candidatura, onde decorrerão reuniões de trabalho e as conferências de imprensa;
• A partir do segundo semestre do presente ano irei definir um dia semanal de atendimento ao munícipe;
• No segundo semestre do corrente ano, irei apresentar uma página da internet interativa;
• No segundo semestre do corrente ano, irei realizar sessões de esclarecimento em todas as freguesias;
• No primeiro semestre do próximo ano criarei um jornal mensal informativo;

Por último e não menos importante, aproveito este momento para solicitar aos órgão de comunicação social locais que promovam 12 debates mensais entre os candidatos a Presidente da Câmara dos vários partidos subordinados aos temas referenciados anteriormente e fundamentais para o desenvolvimento de Vizela, desde logo: Desporto, Saúde e Ação Social, Cultura, Educação, Turismo, Investimento Público Municipal, Indústria e Comércio Local, Urbanismo, Juventude, Finanças Municipais, Ambiente.

As eleições autárquicas constituem o expoente máximo da democracia local, sendo, neste sentido, mais um desafio que temos de vencer para trabalhar pelo modelo de desenvolvimento local que serve as pessoas. 

As eleições autárquicas são distintas de qualquer outro ato eleitoral atendendo à proximidade entre o eleitor e o eleito. As eleições autárquicas são rostos, são pessoas e não partidos, são as únicas eleições em que o eleitor vota em pessoas que conhece e com quem muitas vezes contacta diariamente.

Por acreditar que as eleições autárquicas são pessoas, neste projeto eleitoral conto, desde já, com enorme orgulho pessoal, com o apoio de uma estrutura de campanha assente nas seguintes pessoas:

• Presidente da Comissão de Honra – Dr. João Cocharra
• Mandatário – Dr. Francisco Ferreira
• Relator do Programa eleitoral – Dr. Armindo Faria
• Diretor de Campanha eleitoral – Sr. Joaquim Meireles
• Mandatária da Juventude – Dra. Neide Dias

Porque acredito que temos condições de ter um resultado histórico nas freguesias, um dos melhores resultados de sempre, tenho a honra de apresentar os nomes dos cinco candidatos às freguesias do Concelho:

• Mário José Oliveira
União das Freguesias de Vizela – S. João e S. Miguel

• Manuel Pedrosa
Freguesia de Santa Eulália

• António Ferreira
União das Freguesias – Tagilde – S. Paio

• José Maria Ribeiro
Freguesia de Infias

• Augusto Costa
Freguesia de Santo Adrião

Não posso terminar sem antes agradecer penhoradamente a todos os que se encontram hoje aqui presentes e pedir o vosso apoio para esta etapa da nossa vida coletiva. Sei que para muitos a decisão de estar nesta sala e apoiar esta candidatura pode ter repercussões na vida particular de cada um, mas quando Vizela foi lutar pelo Concelho também saiu da posição confortável que tinha para obter a sua autonomia.

A luta autonómica pertence ao passado, mas não deve ser esquecida, bem pelo contrário, deve ser vista como um motivo e responsabilidade acrescida para lutar contra um estado de coisas a que Vizela chegou.

Para terminar, não posso deixar de agradecer a todos os que compõem a comissão de honra, por darem a cara por mim e pelo nosso projeto, agradeço a todos os que cá estão e aos que por motivos de agenda pessoal não puderam estar presentes.

Agradeço também ao Sr. Presidente e Deputados Municipais.

Agradeço a toda a estrutura da campanha que hoje foi aqui apresentada por estarem ao meu lado nesta caminhada. 

Por último, e não menos importante, não poderia deixar de agradecer de uma forma particular aos Senhores Presidentes de Junta. Este agradecimento empenhado, porque todos sabemos que estes terão de trabalhar mais um ano com uma pessoa que não gosta de ser “afrontada”, um Presidente da Câmara que revelou perante mim falta de sensibilidade democrática, autismo político e o desespero de quem está agarrado ao poder. Mas podem crer que todos estaremos ao vosso lado e que denunciaremos publicamente atos abusivos e antidemocráticos, Vizela é nossa.

Caros amigos, termino como comecei, mais do que ser socialista sou vizelense, e a minha terra, tal como para todos vocês, está acima de tudo, acima de qualquer partido. Por isso é que está escrito atrás de mim “Vizela Sempre”, porque encaro esta candidatura sempre por Vizela.

Obrigado a todos...

Viva Vizela!
Viva os Vizelenses!

Vizela, 31 de maio de 2016
Victor Hugo Salgado