on 25 de outubro de 2016

Na4ª edição da GQ Men of the Year Awards 2016, o vizelense Luís Carvalho venceu o prémio de melhor designer de moda nacional.


DESIGNER DE MODA NACIONAL
(prémio entregue por Paula Lobo Antunes e Jorge Corrula, atores)

Luís Carvalho: ainda não fez trinta anos mas já tem uma marca com o seu nome e já deixou a sua marca na moda portuguesa. As suas criativas criações têm recolhido aplausos da crítica e do público e Luís Carvalho foi o responsável pelos desfiles de encerramento das duas últimas edições da ModaLisboa. A sua grande referência é Raf Simons, na Dior. E a sua peça de roupa favorita é o casaco.




Conheça ainda os restantes vencedores:
Out 24, 2016 | Moty

Da Black Carpet à Gala, esta é a galeria que precisa de ver para conhecer o quem e o quê do GQ Men of the Year Awards 2016.

Não importou a chuva ou o céu nublado: as estrelas estavam todas na passadeira negra do GQ MotY 2016: de Kelly Bailey aLourenço Ortigão, aos badalados Cameron Dallas, Andreja Pejic e Jason Morgan, havia nomes célebres em português e estrangeiro a pisar o evento do ano. Entre os galardoados, as capas GQ e os amigos de sempre da publicação, esta é uma festa que se faz de prémios, sim, mas também de pessoas.

E estavam por cá não só os nomes fortes, mas também as histórias que interessam, ou não fosse Andreja Pejic a Modelo Feminino do Ano, Lenine Cunha o Herói Nacional e Maria da Conceição a Mulher do Ano. Todos os vencedores, na lista abaixo:

GOURMET
(prémio entregue por Bruno Calvão, diretor de marketing da Pernot Ricard)

Miguel Rocha Vieira: A sua notoriedade aumentou por cá depois de ter sido o júri “durão e irreverente” do Master Chef, mas é impossível falar dele sem mencionar as estrelas Michelin: duas em Budapeste, uma no Costes e outra no Costes Downtown, que abriu recentemente na capital húngara, e ainda mais uma na Fortaleza do Guincho, em Cascais, onde chegou há pouco tempo. Agora, vai ter de juntar o prémio da GQ à sua impressionante coleção.

MÚSICA
(prémio entregue por Nayma Mingas, modelo)

The Gift: a lista dos seus sucessos é grande mas não podemos esquecer “Ok! Do you want something simple?”, “Driving you slow”, “Music”, “Primavera” e, claro, “Fácil de Entender”. Em 2015, celebraram 20 anos de carreira com uma dupla coletânea, uma biografia e uma tournée. Já em setembro deste ano, apresentaram o primeiro single do seu novo álbum, a ser lançado em 2017, e com a participação do mestre Brian Eno.

ARQUITETURA
(prémio entregue por Kelly Bailey, atriz)

Francisco Vieira de Campos: Em conjunto com Cristina Guedes, Francisco criou, em 1994, no Porto, aquele que viria a tornar-se num dos mais importantes ateliês de arquitetura a nível nacional, o Menos é Mais Arquitectos. Vencedores do Prémio FAD de Arquitetura 2016, considerado o mais importante prémio dedicado à arquitetura ibérica. E, este ano, distinguidos com o International Fellowship 2017 “em reconhecimento do enorme contributo que têm dado à arquitetura” pelo Royal Institute of British Archictects, um dos sistemas mais rigorosos do mundo.

CIÊNCIA
(prémio entregue por Marianne Bittencourt, modelo)

Henrique Veiga Fernandes: assume que gosta de prémios e merece-os, já que num dos seus estudos identificou um interruptor que permite que as células estaminais funcionem melhor e que o transplante de medula óssea seja muito mais eficaz do que é hoje. As suas investigações sobre a doença de Crohn podem vir a melhorar a vida de milhares de pessoas. E esta sua indomável curiosidade já lhe valeu a comenda da Ordem Militar de Sant’iago da Espada, em 2015, e agora o Prémio GQ Ciência 2016.

LITERATURA
(prémio entregue por Fernanda Serrano, atriz)

Valter Hugo Mãe: estudou Direito mas, como sempre preferiu escrever por linhas mais ou menos tortas, usou a aprendizagem académica para melhorar o mundo e a literatura. Já ganhou, entre outros, o Prémio José Saramago. Que um dia disse sobre o nosso premiado “é um tsunami literário”. Valter Hugo Mãe comemora agora a 20 anos de carreira e lançou recentemente o seu novo romance, Homens Imprudentemente Poéticos.

CINEMA
(prémio entregue por Raquel Strada, atriz)

João Ribeiro: não é ator, não surge na tela do cinema e nem tampouco é realizador, mas sem ele não havia filmes como o recente Cartas da Guerra, cuja fotografia tem sido gabada por todo o mundo. Com um papel importantíssimo em filmes como Filme do Desassossego ou a A Corte do Norte ou Transe, João Ribeiro é um dos grandes diretores de fotografia a nível mundial e realizadores como João Botelho, Teresa Villaverde ou Ivo Ferreira não dispensam os seus serviços.

DESIGNER DE MODA NACIONAL
(prémio entregue por Paula Lobo Antunes e Jorge Corrula, atores)

Luís Carvalho: ainda não fez trinta anos mas já tem uma marca com o seu nome e já deixou a sua marca na moda portuguesa. As suas criativas criações têm recolhido aplausos da crítica e do público e Luís Carvalho foi o responsável pelos desfiles de encerramento das duas últimas edições da ModaLisboa. A sua grande referência é Raf Simons, na Dior. E a sua peça de roupa favorita é o casaco.
MODELO REVELAÇÃO
(prémio entregue por Lourenço Ortigão, ator)

Maria Clara: aos 3 anos já fazia campanhas publicitárias, mas foi aos 16 que começou realmente a dar nas vistas, ao vencer o L’Agence Go Top Model. Este ano, com apenas 19 anos, desfilou em todas as principais semanas da moda do mundo, conquistando Paris, Londres, Milão e Nova Iorque com o seu look clássico e ao mesmo tempo irreverente. E Gucci, Valentino, Dior e Dolce & Gabbana não ficaram indiferentes.

MODELO MASCULINO NACIONAL
(prémio entregue por Ana Cristina de Oliveira, atriz)

Fernando Cabral: é, muito provavelmente, o único português que atualmente pode reclamar o estatuto de supermodelo. Seguiu as pisadas do seu irmão mais velho e tornou-se presença assídua nas principais semanas de moda e nas páginas das melhores revistas de moda nacionais e internacionais. No currículo, conta com desfiles para Louis Vuitton, Hermès ou Lacoste e campanhas para a marcas como a Balmain e a Marc Jacobs. E ainda é o único português presente no ranking dos 50 melhores modelos do mundo do models.com.

DIGITAL INFLUENCER
(prémio entregue por Sofia Lucas, diretora da LightHouse publishing, editora da GQ Portugal)

Cameron Dallas: é um ícone das novas gerações e tem milhões de seguidores em todo o mundo. Ora nos faz rir, ora canta fora de tom. Os seus gags humorísticos já atingiram desde 2012 2,3 mil milhões de visualizações. A enorme notoriedade que ganhou nas redes sociais levou-o até ao Netflix, onde será protagonista de um reality show.

MODELO FEMININO INTERNACIONAL
(prémio entregue por José Fidalgo, ator)

Andreja Pejic: já foi capa de revistas como a L’Officiel e a Marie Claire e tem sido uma das vozes mais ativas na luta pelos direitos transgénero. Andreja asceu homem numa Bósnia-Herzgovina que foi destroçada pela guerra, e, aos oito anos de idade, foi para a Austrália com a mãe; tornou-se uma aluna brilhante e aos 17 anos tornou-se modelo. Em janeiro de 2001 participou tanto nos desfiles masculinos como nos femininos de Jean-Paul Gaultier, e no início de 2014 submeteu-se a uma cirurgia para se tornar definitivamente mulher. Para ela, a luta pelos direitos transgénero é tão importante como a luta contra a guerra ou a favor dos refugiados.

MODELO MASCULINO INTERNACIONAL
(prémio entregue por Pedro Vidigal, diretor de comunicação e marketing da Inditex)

Jason Morgan: a única vez que perdeu um prémio foi para Dereck Zoolander, e já foi protagonista de campanhas como Aqcua di Gio ou da Armani Underwear. Recentemente, confessou que, se tivesse de escolher uma revista para ser capa, escolheria a GQ, mas ainda assim já foi capa de publicações como a L’Officiel Homme ou a Elle Man.

DESPORTO
(prémio entregue por Patrícia Mamona, atleta de triplo salto)

Moniz Pereira: foi um dos gigantes do desporto nacional, recordista nacional no triplo salto e campeão nacional também em voleibol, além de ter sido professor de educação física e um dos maiores treinadores da história do atletismo. Como treinador esteve em 12 Jogos Olímpicos, 13 Campeonatos da Europa e em 21 Campeonatos do Mundo de Crosse. Descobriu e levou ao sucesso atletas como Carlos Lopes, Fernando Mamede, os manos Castro, Francis Obikwelu e Naide Gomes. E ainda escreveu fados que fora cantados por fadistas como João Braga ou Camané, mas isso fica para outra conversa.

HERÓI NACIONAL
(prémio entregue por Andreia Rodrigues, apresentadora)

Lenine Cunha: foi vítima de um ataque de meningite que lhe deixou sequelas na memória, na fala e no andar, e a sua audição e visão também foram afetadas. Dois anos depois, a sua mãe inscreveu-o no atletismo e ele descobriu a paixão da sua vida. Agora é o atleta mais medalhado do mundo, já ganhou mais de 180 medalhas internacionais em diversas provas de atletismo – entre elas bronze nos Jogos Paraolímpicos de 2012. Aos 33 anos, é um exemplo de força mas ganhar medalhas não é tudo, este homem fundou o Sport Clube Lenine da Cunha, cujo objectivo é ajudar o maior número de crianças possíveis.

MULHER DO ANO
(prémio entregue por José Santana, diretor da GQ Portugal)

Maria da Conceição: ex-hospedeira da Emirates, foi durante uma escala de 24 horas na capital do Bangladesh, Dhaka, que, ao ver a extrema pobreza da população, decidiu mudar de vida. Em 2005, fundou a Fundação Maria Cristina, numa homenagem à sua mãe adotiva, uma refugiada angolana que a acolheu mesmo sendo viúva e mãe de seis crianças. Já retirou centenas de crianças das ruas e acredita que a educação é a chave para combater a pobreza. Para angariar fundos para os projetos da fundação, tornou-se na primeira mulher a correr sete maratonas em sete semanas seguidas e em continentes diferentes e até já escalou até ao topo do Evereste. Tudo para dar às crianças do Bangladesh uma oportunidade de estudarem e quebrarem o ciclo de pobreza em que cresceram.