on 30 de novembro de 2016

FESTAS NICOLINAS 2016
Crianças viveram tradição do “Pinheiro” no Centro Histórico de Guimarães

Cortejo do Retábulo ligou Capela de S. Nicolau à Torre dos Almadas. Mais novos trajados a rigor associaram-se às comemorações das Festas Nicolinas.
Centenas de crianças participaram esta terça-feira, 29 de novembro, no Cortejo do Retábulo de São Nicolau, também conhecido por “Pinheirinho”, que antecede o início das Festas Nicolinas. Cumprindo-se a tradição, o Pinheiro dos mais novos juntou crianças de diversos jardins de infância de Guimarães, que saíram à rua trajadas a rigor e ao som do toque nicolino.
A concentração, que decorreu no Largo José Maria Gomes, em frente ao edifício da Câmara Municipal, seguiu até à Capela de S. Nicolau, onde o Juiz da Irmandade entregou o retábulo de São Nicolau à Comissão de Festas Nicolinas 2016. Dali, os participantes seguiram para a Torre dos Almadas, sede dos Velhos Nicolinos, onde o retábulo ficará exposto durante o período festivo.
«O que nós vivenciamos aqui é exatamente o espírito e a essência das Nicolinas, com a alegria e o entusiasmo das crianças partilhada pela presença dos pais e dos avós! Só quem vive as Festas Nicolinas, com a sua cultura estudantil e comunitária, é que sabe o que representa ser Nicolino!», referiu Domingos Bragança, Presidente da Câmara Municipal.
Realizado há dezasseis anos, o Cortejo do Retábulo de São Nicolau é uma organização dos infantários da cidade de Guimarães, com a colaboração da Associação dos Antigos Estudantes do Liceu de Guimarães - Velhos Nicolinos, Irmandade de São Nicolau e Comissão de Festas.

Tradição com séculos

O desfile do Pinheiro na noite de 29 de novembro, com milhares de nicolinos na rua, inaugura anualmente as Festas Nicolinas, conhecidas como os festejos dos estudantes de Guimarães, cuja origem remonta à devoção religiosa dedicada a São Nicolau, oriundo da Ásia Menor que terá vivido nos séculos III e IV. 
O culto terá chegado a Guimarães através dos peregrinos de vários pontos do país e do estrangeiro que aqui se deslocavam para venerarem Nossa Senhora de Guimarães (Padroeira de Portugal até ao séc. XVII) e, também, através da passagem de romeiros de/e para Santiago de Compostela, que terão deixado como marca a sua devoção a São Nicolau.
Inicialmente, as festas só eram celebradas a 06 de dezembro, dia que está reservado no calendário religioso a São Nicolau. Nesse dia de manhã, os estudantes participavam na missa com sermão e, de tarde, as celebrações assumiam um carácter profano com a realização de jogos populares. 
Com o passar dos tempos, verificou-se que um dia para festejos a São Nicolau não era suficiente e incluiu-se também o dia 5, data em que era anunciado o programa do dia 6 através de um pregoeiro que percorria as ruas da cidade. Mais tarde, os festejos foram alargados a oito dias, entre 29 de novembro e 07 de dezembro. Novenas, Posses, Magusto, Roubalheiras, Pregão, Maçãzinhas, Danças São Nicolau e Baile Nicolino completam o programa, além do Cortejo do Pinheiro.